previdência-privada

Se você já ouviu falar sobre a previdência privada, mas ainda não começou a investir porque tem muitas dúvidas, então este artigo é para você!

Trouxemos as principais questões sobre o assunto para você entender como e por onde começar a sua previdência privada. Acompanhe. 

1. Qual a diferença entre previdência privada aberta e fechada? 

A previdência privada fechada contempla os funcionários de uma determinada empresa, restrita a esse número específico de pessoas. Os planos são administrados por entidades sem fins lucrativos e, em alguns casos, a empresa contribui com um percentual em cima do valor aportado pelo participante ao plano. 

Já a previdência aberta é acessível para qualquer pessoa. Basta que ela procure uma empresa especializada no assunto para fechar um contrato. A contribuição, nesta modalidade, é do próprio contratante, que pode escolher entre os modelos PGBL e VGBL.

2. Quais tipos de planos de previdência existem?

Os planos de previdência privada estão divididos em duas categorias: Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) e Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL). Veja as principais diferenças entre eles: 

  • Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL): nessa modalidade, há dedução de imposto sobre o valor total a ser resgatado. As contribuições podem ser deduzidas do IR até o limite de 12% da renda bruta anual do investidor. É um plano mais adequado para quem faz a declaração completa.
  • Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL): não há deduções do Imposto de Renda. Nesse modelo, a incidência de imposto se dá apenas sobre os rendimentos dos valores, no momento do resgate. É um plano indicado para quem faz declaração por meio do modelo simplificado. 

3. Já tenho mais de 30 anos, compensa fazer esse investimento?     

Cuidar do futuro e focar em tirar sonhos do papel é válido em qualquer idade! Quanto mais cedo você investe na previdência, maior o valor acumulado, mas nada impede de iniciar mais tarde e fazer contribuições mais robustas. Tudo depende da sua organização financeira. 

É importante definir as expectativas de resgate no futuro para entender como devem ser seus investimentos. O planejamento financeiro é fundamental para garantir conforto nos anos finais e segurança para sua família. 

4. Qual a diferença entre tabela progressiva e regressiva?

O investimento de previdência privada inclui a incidência de algumas taxas. De modo geral, há duas modalidades de tributação pelas quais você pode optar:

  • Progressiva: as alíquotas aumentam de acordo com a tabela base de cálculo anual, limitada a 27,5%;
  • Regressiva: as alíquotas diminuem com o passar do tempo, limitada a 10%.

Quem pretende deixar o dinheiro por um prazo menor, deve optar pela tabela progressiva. Já quem planeja um investimento a longo prazo, deve utilizar a tabela regressiva.

5. Quando poderei resgatar o investimento?

A previdência privada é bastante indicada para aqueles que desejam garantias para a aposentadoria, porém você não precisa investir com esse objetivo específico em mente.

O valor investido, em muitos casos, fica disponível para resgate a qualquer momento. Porém, cada plano possui regras específicas. Há variações na alíquota do IR e na carência do fundo que, em geral, varia entre 60 dias a 24 meses para solicitar o resgate total ou parcial.

6. É realmente um tipo de investimento seguro?

Por ser um investimento normalmente pensando a longo prazo, a previdência privada atende a diversos tipos de investidores, sendo considerada uma das modalidades mais seguras que existem. 

É possível escolher aplicar o dinheiro de uma única vez ou fazer aportes periódicos e deixar o dinheiro rendendo por anos. E os riscos encontrados são baixos. Além disso, as atividades são fiscalizadas pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) e Superintendência de Seguros Privados (Susep).

7. Se ocorrer algo comigo (invalidez ou falecimento), o que acontece com o dinheiro que tenho guardado?

Caso esse tipo de ocasionalidade aconteça durante a fase de acumulação, o plano de previdência segue como uma aplicação financeira comum. Não haverá necessidade de passar por inventário para que o valor acumulado seja entregue aos beneficiários.

Agora, se um desses eventos ocorrer quando o investidor já estiver usufruindo do valor arrecadado, seus beneficiários também terão direito ao montante sem necessidade de inventário e com a tributação conforme a tabela escolhida. Em todo caso, é importante ler sempre o regulamento dos planos para entender mais detalhes!

Agora que você já entende sobre a previdência privada, então pode escolher o seu plano. Entre em contato conosco e iremos te ajudar a encontrar a versão ideal para você.

Clique aqui e fale com a gente no WhatsApp.


Publicações Relacionadas

Você conhece os benefícios de um seguro de celul...

No mundo acelerado de hoje, onde cada instante conta, a importância do seu celular ultrapassa os limites da comunicaç...

Ver mais

Consórcio ou financiamento de imóveis: qual esco...

O sonho da casa própria faz parte dos planos de muitos brasileiros, mas na hora de pôr em prática pode surgir a dúvi...

Ver mais

Entenda como é calculado o preço de um seguro de...

O seguro de vida vem se tornando cada vez mais popular por ser considerado uma boa forma de planejamento financeiro, tan...

Ver mais

Pesquisa mostra aumento da busca por Previdência...

Você já deve ter percebido a mudança na situação econômica no Brasil nos últimos anos. Entre outras coisas, essa...

Ver mais
Olá, podemos te ajudar?